Ir para o conteúdo
Início
/
Serviços Clínicos
/
Departamento de Medicina

Unidade de Nefrologia

Diretor: Dra. Maria Teresa Santos

A Unidade de Nefrologia do Hospital Pedro Hispano está integrada no Departamento de Medicina e a sua área de influência inclui os concelhos de Matosinhos, Vila do Conde e Póvoa de Varzim.

Foi criada em 1995 por um protocolo celebrado entre o Serviço de Nefrologia do Instituto Português de Oncologia do Porto (IPOFG) e o Hospital Pedro Hispano (HPH), segundo o qual o primeiro acordante se responsabilizava pelo apoio nefrológico aos doentes do HPH. Com a necessidade crescente de cuidados nefrológicos celebrou-se um novo protocolo de colaboração com a Unidade de Diálise da Misericórdia de Matosinhos (UDMM), ficando esta última entidade responsável pela realização de tratamento substitutivo renal no HPH.

A Unidade de Nefrologia articula-se com a Unidade de Diálise Peritoneal do Centro Hospitalar do Porto –Hospital Geral de Santo António e com as Unidades de Transplante Renal deste mesmo Hospital e do Hospital de São João.

A equipa de Nefrologia garante em regime de presença física ou prevenção o apoio nefrológico 24/24 horas ao HPH. Dispõe de 18 enfermeiros (da UDMM) com treino específico em tratamento substitutivo renal e dois técnicos de equipamento completam a equipa assistencial e de apoio logístico.

As principais funções da Unidade de Nefrologia são a orientação de doentes com Insuficiência Renal Crónica, Insuficiência Renal Aguda, distúrbios hidro-electrolíticos e glomerulopatias. Presta apoio aos doentes em programa regular de hemodiálise do concelho de Matosinhos, nomeadamente situações de urgência e complicações com necessidade de internamento.

A nível de formação, para além do Internato Complementar de Nefrologia, é responsável por estágios parcelares de Internos Complementares de Medicina Interna, Urologia e Medicina Familiar. A formação pós-graduada de enfermeiros em técnicas substitutivas renais e os Cursos para médicos e enfermeiros de Cuidados Intensivos em técnicas contínuas de substituição renal tem sido outro dos objectivos formativos da Unidade.

Em internamento orienta o tratamento de cerca de 300 doentes/ano, internados nas diferentes alas do Departamento de Medicina.

A Unidade de Nefrologia dispõe de um sector de Hemodiálise que inclui:

  • 1 sala com 3 monitores e respectivo sistema de tratamento de água na Ala M do Departamento de Medicina
  • 1 sala para doentes com necessidade de isolamento com 1 monitor e respectivo sistema de tratamento de água na Ala E do Departamento
  • 5 postos com possibilidade de tratamento dialítico, 2 monitores de diálise e sistema de tratamento de água próprio, no Serviço de Cuidados Intensivos
  • 4 monitores para tratamento contínuo de substituição renal no Serviço de Cuidados Intensivos.

Outros Recursos e Actividades:

  • A Unidade de Nefrologia utiliza a sala de procedimentos invasivos para colocação de cateteres de hemodiálise de longa duração, com controlo fluoroscópico e ecográfico (média de 70 cateteres/ano).
  • Biópsias Renais: As biópsias renais são efectuadas no Departamento de Imagiologia, sob controlo ecográfico, com a colaboração de um elemento do Departamento de Imagiologia (Dra. Catarina Tavares). Realizam-se em média 25 biópsias/ano.
  • Cateteres provisórios de hemodiálise: são colocados na sala de hemodiálise da Ala M, com apoio ecográfico, se necessário (em média 90 cateteres/ano).
  • Plasmafiltração: a Nefrologia é responsável pela realização de Plasmafiltração que por razões logísticas se efectua no Serviço de Cuidados Intensivos.
  • Biópsia de gordura abdominal para pesquisa de substância amilóide: Efectuado pelos elementos do Serviço quando solicitado.
  • Consulta externa: A Unidade de Nefrologia é responsável por 9 períodos de consulta externa, onde são observados em média 2 primeiras consultas e 8 segundas.

As primeiras consultas consideradas urgentes têm um período máximo de resposta de 15 dias e as não urgentes de 90 dias

Nefrologia do Doente Crítico

A Unidade diferenciou-se na Nefrologia aplicada aos Cuidados Intensivos. Para este facto contribuiu a experiência prévia dos seus elementos com o doente oncológico crítico no contexto da Unidade de Cuidados Intensivos do IPOFG e dos doentes transplantados de medula, bem como a especificidade da patologia observada no HPH, em que 31% dos doentes têm Insuficiência Renal Aguda, maioritariamente oriundos do Serviço de Cuidados Intensivos, Unidade de Cuidados Intermédios Médicos e Cirúrgicos.

Os seus elementos têm tido um papel importante na formação pós-graduada de médicos e enfermeiros em técnicas substitutivas renais utilizadas em Cuidados Intensivos.


Partilhar:
mattis sem, libero. id fringilla suscipit ut felis ipsum mattis Donec